5 previsões para o Marketing em 2013

O site Mashable publicou uma análise sobre o Marketing no novo ano que se inicia. O veículo, especializado em tecnologia, elencou cinco previsões para 2013 na área.

O site Adnews resumiu abaixo a lista com as análises.

Confira:

1 – Publicitários irão focar no mobile

O Facebook e o Google lucraram bastante com as receitas de suas publicidades nos dispositivos móveis. A rede social de Mark Zuckerberg anunciou, também em 2012, seu primeiro produto móvel: as histórias patrocinadas no feed dos aparelhos.

Se for levado em conta o crescimento latente dos investimentos em mobile feito pelos consumidores, a tendência para 2013 deverá ser o aprimoramento da publicidade nestes meios. Para Clark Fredricksen, VP de comunicação da consultoria eMarketer,  o foco que era dado para anúncios em PCs, por exemplo, deverá ser direcionado para esforços em criação de publicidade para mobile. “Estamos vendo as pessoas criando primeiro para mobile e depois para desktop”, analisa.

2 – Anúncios em banners serão repensados

Os anúncios em banners podem ser chatos e incomodar o leitor de algum site. Apesar de alguns analistas até assumirem que este tipo de produto publicitário irrite, nenhum diz que este tipo de ferramenta irá acabar. Em 2013, os banners devem ser repensados.

Para o presidente do IAB, Randall Rothenberg, as pessoas olham para um banner ruim e pensam que o problema é o anúncio no banner. Na verdade, “o problema é a publicidade ruim”.

Para ilustrar o que virá em 2013, é preciso observar exemplos como da IKEA, loja de móveis e decoração, que colocou toda a loja (!) dentro de um banner interativo.

Veja: http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=32Vt8cW0uWU

3 – Publicidade nativa deve ganhar ainda mais notoriedade

E se a propaganda não tiver cara de propaganda? E se um título ou matéria for, na verdade, uma publicidade disfarçada. Este é o conceito por trás dos anúncios nativos, aqueles com “cara” de conteúdo.

Para Fredricksen, 2012 provou que os formatos nativos são muito mais efetivos para a publicidade, principalmente nos meios móveis. “Esperamos que o crescimento deste tipo de formato continue”, prevê.

O Facebook e o Twitter aplicaram a fórmula com sucesso em 2012 inserindo posts patrocinados em suas respectivas timelines nos dispositivos mobile. É esperar pra ver.
4 – Olhe além do número de fãs
Os eventos de mídias sociais em 2012, tanto no Brasil quanto fora dele, provaram que há uma consenso para quem trabalha com engajamento em redes sociais: o número de fãs no Facebook não é o mais importante, e isto será uma premissa forte em 2013.
O Napkin Labs, empresa responsável por análises de comportamento de marcas e agências nas redes sociais, analisou páginas de empresas que tinham entre 200 mil e um milhão de likes. A grande surpresa: apenas 6% de seus fãs estavam engajados com o conteúdo postado. Outro dado interessante: páginas com pelo menos 900 mil fãs, tinham 60% menos engajamento do que as que tinham 500 a 600 mil likes.
“Precisamos olhar além dos likes”, diz Riley Gibson, CEO da Napkin Labs.
“Quem tem seguidor é santo. Uma marca não tem seguidores, ela tem clientes. Potenciais ou atuais”, já dizia o Professor de Estratégia e Comunicação e Diretor de Inteligência de Mercado da FGV, Marcelo Coutinho.
5 – Já ouviu falar em Big Data?
Se sua resposta for não, fique atento, pois o Big Data deverá ser tendência em 2013. Imagine uma tecnologia que permita analisar qualquer tipo de informação digital em tempo real? Pois bem, o Big Data permitiu, por exemplo, que pesquisadores norte-americanos descobrissem antes de todos a tragédia que ocorreria no terremoto no Haiti. A Sprint Nextel integrou os dados de todos os canais de relacionamento. O resultado: saltou da última para a primeira posição no ranking de satisfação. Obama também utilizou a tecnologia para ser reeleito em 2012.
Em 2013, marqueteiros, publicitários e comunicólogos em geral descobrirão que chegou a hora de transformar terabytes de dados em informação para suas marcas.
Fonte: Mashable.
Anúncios